24 de outubro de 2014

Pacaembu tem alma tricolor



Pacaembu tem alma tricolor

Salve soberanos!

Vamos falar um pouco de história do São Paulo?

Pois é gente, o título desta matéria é estranho né? Mas quero mostrar que ele é sim verdade. Vamos lá!

A relação do Tricolor com o Estádio do Pacaembu vem desde a inaguração. Cabe aqui explicar a situação política da época, era a ditadura de Getulio Vargas, em que os paulistas haviam combatido contra em 1932 com a Revolução Constitucionalista.
Para a inauguraçõa ainda estavam proibidos o uso de simbolos dos Estados, como brasões e bandeiras.
Agora imaginem como se sentiram os presentes naquele 27 de abril de 1940 ao ver as cores da sua bandeira ali dispostas no uniforme tricolor. A euforia foi geral! Era uma chance de afrontar o ditador e ainda enaltecer o Estado de São Paulo. E qualquer relato da época trata que radialistas, jornalistas e a massa toda aplaudiram de pé, gritavam e cantavam enquanto o Tricolor desfilava. È óbvio que o Getulio não ficou feliz, e ao ser perguntado sobre aquela manifestação toda, e para fugir de reconhecer o quanto ele era odiado em São Paulo, se saiu com o apelido que mais gosto do SPFC: “ este é O Mais Querido, O Mais Querido” daí, do Pacaembu, que nasceu a alcunha de “O Mais Querido

Outro fato é que na decada inaugural foi o Soberano o time que mais conquistou titulos no local, com 5 titulos no total.

O maior público data de 25 de maio de 1942, com mais de 71 mil pessoa para assistir São Paulo 3 x 3 Corinthians, jogo que teve a estréia de Leonidas da Silva, o “Diamante Negro”.

A maior goleada no Pacaembu foi São Paulo 12 x1 Jabaquara, que foi a 2ª vez que o Tricolor aplicou este placar, a 1ª vez foi SPFC 12 x 1 Sírio. Sendo estas as maiores goleadas do Mais Querido até os dias de hoje.

Mais talvez o que poucos saibam é sobre o nome: Estádio Municipal Paulo Roberto de Carvalho.

Paulo Roberto de Carvalho foi fundador, presidente do São Paulo. A homeganem foi feita pelo prefeito Faria Lima em 1961, e ele ficou conhecido por “Marechal da Vitória” por ter sido o chefe da delegação da Seleção Brasileira na copa de 1958, o que voltou a se repetir em 1962.

Sabe aquela parte dos jornais enaltecerem o fato do SPFC ser O Mais Querido? Quem vocês acham que ajudou a propagar isso? Paulo Roberto de Carvalho! Dono de emissoras de rádio e jornais da época. Não teria como ser diferente. Um empresário da comunicação ao ouvir que seu time do coração era O Mais Querido repercutiu isso por dias, fato que me foi dito por um conselheiro do São Paulo, morto há 2 anos, Seu Ubirajara.

E então, o Pacaembu tem ou não uma alma tricolor?

Até a próxima!

VAI SÃO PAULO!!!






Leia mais


23 de outubro de 2014

Cadê o bom futebol?



Nação Tricolor,

O duelo desta quarta-feira foi foi um balde de água fria para a torcida do Soberano. O mais otimista não esperava um empate diante do time de Chapecó, pois a chance de encostar de vez no líder Cruzeiro foi (mais uma vez) desperdiçada.

O São Paulo deveu, principalmente, o bom futebol. Não jogou absolutamente nada do que pode realmente render, pois tem um ótimo plantel. Denílson foi quem mais finalizou, para se ter noção do que foi o panorama do confronto.


A maior preocupação: cadê o bom futebol de Alan Kardec? O nosso atacante está a tempos sem marcar e precisa voltar a render. O centroavante é peça fundamental no esquema tático de Muricy, que conta com o jogador em todos os jogos.

Perder pontos preciosos contra adversários que precisamos vencer a qualquer custo é eliminar as chances de título logo cedo.
- Faltam oito jogos, a gente tem que aproveitar as oportunidades e encostar o quanto antes no Cruzeiro - disse o meia. - Comentou PH Ganso, em entrevista.

O fator que tem atrapalhado a equipe são as expulsões contínuas. A equipe passa a se defender na maior parte do tempo, apenas apostando nos contra-ataques.

- Vejo uma diferença grande entre a arbitragem da América do Sul e a da Europa. Já estou começando a me adaptar ao fato de não poder ter comunicação. Já vi que é impossível se comunicar com o árbitro- ressaltou Michel Bastos.

A evolução precisa ser imediata, e com raça! A torcida tem cobrado cada vez mais, e não será fácil perder até a vaga da Libertadores. E se bobear...

Por: Victor Antonini
@VictorAntonini_


Leia mais


Chapecoense 0-0 São Paulo: No G4 e pelo G4



Nação tricolor.

O São Paulo perde a milésima chance no campeonato de diminuir a sua diferença pro Cruzeiro e ainda tentar o hepta campeonato, a rodada que parecia boa para o SPFC já que se vencesse abriria 5 pontos pro quinto colocado e ficaria há apenas 5 pontos do Cruzeiro, teve um fim de torrar a paciência de qualquer torcedor com mais um jogo sofrível e que o time parecia jogar com vontade de ultima rodada de paulistão e não de quem quer ir pra libertadores e ser campeão. Contra fatos não há argumentos, o São Paulo faz um segundo turno horrível, de jogar bem apenas jogou contra o Grêmio e contra o Cruzeiro e mesmo assim tomou muita pressão do primeiro, o São Paulo deve ir sim pra libertadores pois estamos vendo um campeonato fraquíssimo, as equipes de G4 são irregulares e tentam se revezar pra incomodar o Cruzeiro que talvez viva seu pior momento desde a libertadores desse ano.

Muricy surpreendeu na escalação e escalou o jovem Ewandro, jogador que eu gosto e que deveria sim ter mais chances, mas não entendi o porque dele ser escalado, é claro que o São Paulo não tem metade desse super elenco que pintam e também tinha desfalques, também fica claro que Muricy esta com um pé atrás com Osvaldo (Aleluia!) mas acho que ontem era jogo pro Boschilia ou ate mesmo pro Maicon, com Kaka tendo muito mais liberdade. Ewandro vive de extremos, raramente entra e quando entra só joga os 5 minutos finais e ai do nada Começa jogando como titular, a única explicação fora a que eu citei é que ele tenha treinado bem para a preparação desse jogo. Outro erro que na minha opinião Muricy cometeu, foi voltar com o Paulo Miranda na lateral e deixar o Hudson no banco, se o Muricy acha que o Auro marca mal vamos esperar que ele tenha coerência e defina a patética (mais uma) atuação de Miranda que foi uma verdadeira avenida.

Sobre o jogo, o que se deu para ver foi a Chapecoense dominando o São Paulo em grande parte do primeiro tempo e o São Paulo perdido em campo e que não conseguia jogar. A chapecoense explorou muito bem as laterais do São Paulo e incomodou demais o São Paulo, o problema é que a equipe catarinense é muito fraca e esbarrava nas suas limitações, mas mesmo com a adversidade e limitada equipe de Chapecó seguia muito determinada e se fosse um pouco melhor poderia ate ter acabado o primeiro tempo com a vitória. Para quem esperava um São Paulo com "fome de bola" apos ver que o Cruzeiro havia tropeçado, se enganou redondamente, o tricolor fez um jogo sofrivel , com erros de passe, deixando muitos espaços e sem conseguir criar absolutamente nada. Denílson que ate tentou alguns chutes para o gol poderia ate ter dado a vitoria para o tricolor, se estivéssemos em um jogo da NFL e computassem Field Goals. No segundo tempo entrou Osvaldo e saiu Ewandro que até tentou algumas jogadas mas de resto seguiu o ritmo do time, o time melhorou e já não tomava mais sufoco da chapecoense, mas assim como no primeiro tempo não conseguia criar, e nas poucas chances criadas perdia pateticamente.

No fim foi um resultado justo, amargo e péssimo para o São Paulo e Chapecoense, mas ambas as equipes não jogaram futebol que justificasse outro placar. O tricolor agora enfrenta o Goiás na segunda-feira e pode ser mais um tipico jogo-problema, ja que a equipe goiana deve vir fechada e o São Paulo, sabe-se lá porque, não tem conseguido jogar contra equipes assim.

Leia mais


21 de outubro de 2014

E para 2015, Luis Fabiano fica ou sai? Essa é fácil...



Hoje vou falar de um assunto que provavelmente não tem meio termo: Luis Fabiano. É sempre difícil falar do nosso camisa 9 porque os extremos o cercam. Ou o adoram, ou o odeiam. Enfim, já antecipo que tratarei pouco do histórico e opinião geral sobre ele e focarei mais no que penso ser o melhor para o futuro do clube e do próprio, outrora, Fabuloso.

Ontem saiu mais uma notícia a qual o terceiro maior artilheiro da história do clube deixa o futuro no São Paulo em aberto, dizendo que “a Deus pertence”. Luis volta e meia se diz incomodado com o banco e no final tenta amenizar o discurso com um “é preciso respeitar” (se referindo tanto às escolhas do Muricy quanto ao Alan Kardec, que é o atual titular).

Em um dos meus primeiros textos aqui no SPFC1935, em 2012, eu tratei de um assunto que possuía leve semelhança: a insatisfação de Dagoberto. O título dessa coluna? “Quer sair? Sai!” (clique aqui para ler). Dividiu opiniões, mas repetirei alguns conceitos que acredito: jogador nenhum é maior que o clube. Está insatisfeito ou infeliz? Fique à vontade para procurar outra equipe. O que não dá é ficar com “bico”, com mimimi ou bravo, que é algo que só atrapalha o grupo.

Kaká comemora com Luis Fabiano o gol salvador contra o Flamengo...
Foto: Rubens Chiri/Site Oficial
Outra situação que escrevi aqui, mas ainda nesse ano, dessa vez sobre o Ganso e seu excesso de reclamação via imprensa, quando acabou ficando alguns jogos no banco: está insatisfeito com a reserva? Aproveite as oportunidades que lhe são dadas e mostre, em campo, que merece a vaga no time (clique aqui e leia o texto). Ficar mandando recado pelos veículos de comunicação não tem absolutamente NADA de positivo. Muito pelo contrário.

Vamos deixar uma coisa clara, para não dar margem à nenhuma interpretação errônea: é ótimo que todo jogador tenha vontade de jogar, deve ser assim! Mas existem várias formas de você processar essa vontade e principalmente transmitir esse desejo. O próprio Michel Bastos, recentemente, disse que “não veio para ser reserva” mas sempre ressaltou a qualidade daqueles que estão jogando e que procuraria a vaga dele no time titular em campo! Ele está jogando bem e ganhou uma sequência, mesmo com algumas convocações e contusões que o beneficiaram indiretamente. Simples.

Dito isso, vamos à parte mais delicada do assunto: e para 2015? Serei honesto e direto: será um erro enorme deixar o Luis Fabiano no elenco e são vários os motivos que me fazem dizer isso. Vamos aos principais. Primeiramente, não dá para pensarmos mais no atleta de 10, 11 anos atrás. Hoje é outro jogador completamente diferente. Pesado, lento, com dificuldade para matar uma bola, sem arranque nenhum e, talvez o pior de tudo, ainda está perdendo algumas oportunidades que o “velho” Fabuloso jamais perderia (por exemplo no lance do último jogo, quando o Álvaro rolou para ele, na risca da pequena área, e a bola saiu toda torta pela linha de fundo). Sinceramente e sem a menor ironia, me lembra um “tiozão de churrasco”, naquelas reuniões com carne e uma quadra ao lado, quando o “tiozão” fala: “Alguém assa um pouco aqui que eu vou bater uma bola”, e fica aquela situação constrangedora. Fora isso, o São Paulo tem outro estilo de jogo hoje. Um estilo que não permite que ninguém fique parado, sem ajudar na criação ou na marcação, esperando uma bola rebater ou sobrar na pequena área. E, para finalizar, o próprio clube alegou que usará o dinheiro que não gastará com os salários do M1TO e do Kaká para fazer contratações. Ora, se isso é um fator importante, podemos fazer muita coisa melhor com o salário do nosso centroavante.

... e dois jogos depois, o camisa 9 foi expulso com meia hora de jogo. Não dá para defender sempre.
Foto: Marcos Ribolli
Não quero que me levem a mal. Quando anunciaram sua volta, em 2011, eu fui o primeiro a comprar a camisa 9 com “L. Fabiano” nas costas. O tinha, de verdade, como grande referência. Mas hoje ele atrapalha muito mais do que ajuda, principalmente ficando fora de quase metade do ano devido a suspensões, punições e várias contusões. Chegamos ao ponto de comemorar quando isso acontece porque é bom para o time...

Se ele é ídolo? Confesso que não tenho opinião formada e respeito a de cada um. Terceiro maior artilheiro do clube, ótima média de gols em clássicos, recusou o rival (e mais dinheiro) para voltar para cá... pontos extremamente positivos. Porém, nunca foi, de fato, decisivo em grandes jogos pelo São Paulo, possui módicos dois títulos pelo clube, um deles sendo expulso na final, jogando muito, muito pouco e com uma produtividade praticamente nula na campanha, deixou o clube na mão em diversas oportunidades por destempero (ou burrice mesmo) e tem todo esse mimimi infindável via imprensa... pontos extremamente negativos.

Não o acho apenas o “artilheiro dos gols inúteis”, como alguns dizem, e nem é “decisivo”, como clamam outros. Títulos, de fato, não são tudo para uma idolatria, mas deixar o clube na mão diversas vezes pesa bastante. Abriu mão de muita coisa para voltar para o São Paulo, mas vive quase sempre em uma relação de amor e ódio. Ídolo? Você decide. Mas para 2015 não dá mesmo.

Leia mais


19 de outubro de 2014

São Paulo 2x1 Bahia: Quando os gênios resolvem...




Nação Tricolor:



O São Paulo venceu o Bahia para mais de 22 mil são-paulinos que foram ao Morumbi, o tricolor jogou um futebol muito burocrático mas mesmo assim suficiente para vencer o frágil adversário. Com o resultado, saltamos novamente para a segunda colocação e acho que esse é o principal objetivo do time no campeonato, o São Paulo tem um bom time mas ainda peca muito pela irregularidade, não tivesse tal irregularidade hoje poderia sim estar liderando o campeonato Brasileiro, mas ainda que o titulo seja difícil e mesmo com o time alternando bons e maus jogos o titulo pode vir sim, afinal estamos falando de futebol o esporte mais imprevisível do mundo, mas é hora de manter os pés no chão e lutar pela permanência no G4, e pelo titulo da sul-americana.



Ao contrário dos últimos Jogos, Muricy teve quase todos os seus jogadores a disposição e a única dúvida para escalar a equipe foi entre Michel Bastos ou Luis Fabiano, ao meu ver o treinador acertou ao escalar Michel Bastos pois o polivalente jogador tem feito bons jogos quando atua na função de meio-campo e aberto pela direita, com Luis Fabiano e Kardec o ataque ficaria muito "engessado" e não teria a mobilidade e velocidade suficiente para furar a retranca adversária, novidade também foi a vota de Tolói que substituiu Antônio Carlos, dessa forma o São Paulo foi escalado com: Rogério Ceni; Hudson, Tolói, Édson Silva, Alvaro Pereira; Denilson, Souza, Michel Bastos, Ganso, Kaká; Kardec. O São Paulo iniciou trocando muitos passes e sofrendo com a boa marcação baiana, o tricolor não conseguiu criar chances que incomodassem o goleiro Marcelo Lomba, o Bahia apostava nos contra-golpes mas também não criava nada que assustasse Rogério Ceni, Michel Bastos que começou jogando na esquerda inverteu o lado e acabou melhorando no jogo, foi dele a primeira boa chance do São Paulo no jogo, aliás, foi dos pés de Michel que também nasciam as principais tentativas de furar a retranca adversária, Kaká correu muito como sempre mas hoje teve, tecnicamente, não esteve em uma jornada muito boa assim como Ganso que não conseguia espaço para criar as suas jogadas, o primeiro tempo foi morno e o juiz marcava muitas faltinhas o que deixava o jogo ainda mais truncado e apenas no fim do primeiro tempo é que surgiu o gol salvador que o São Paulo, pelo que jogou, não merecia. O jogador adversário meteu a mão na bola e o juiz marcou falta, Rogério Ceni cobrou com a sua maestria habitual e marcou um golaço para o São Paulo, gol de falta que não vinha para o capitão tricolor desde aquele confronto contra o Vitória pelo 1º turno do Brasileirão 2013.



O São Paulo voltou sem alterações para o segundo tempo, e o panorama do jogo não mudou, o São Paulo ainda tinha muitas dificuldades para furar a defesa adversária e o Bahia tentava os contragolpes sem sucesso. Perdendo o jogo e vendo o tempo passar o Bahia adotou uma postura mais ofensiva e o seu técnico também colocou jogadores mais ofensivos em campo, Ganso com o espaço que lhe foi dado acabou melhorando muito no jogo, assim como Kaká que melhorou na segunda etapa mas não demonstrou o futebol de outras partidas, Luis Fabiano entrou bem na vaga de Alan Kardec e teve um pênalti não marcado quando tomou um tranco do zagueiro do Bahia e perdeu gol incrível após grande jogada de Palito. O Bahia chegou mais e acabou dando mais trabalho para a zaga paulista, Tolói fez grande partida e ganhou todos ou quase todos os seus lances e cometeu apenas uma falta durante todo o jogo, Rogério Ceni fez grande defesa em um chute venenoso do atacante adversário e Ganso que havia melhorado bem no segundo tempo, fez grande jogada e acertou um bonito chute de fora da área para ampliar o placar. Com o avanço do Bahia o São Paulo teve mais oportunidades no contra-ataque em uma delas Souza fez boa jogada mas pecou em não passar a bola e foi desarmado pelo adversário, já no fim do jogo o São Paulo ativou o “modo com emoção” e acabou levando o gol do Bahia, após um cruzamento vindo da esquerda, alias me espanta o quanto o São Paulo é propenso a fazer de jogos tranquilos um drama sem fim, até porque o Bahia pouco ameaçava e na rara desatenção do sistema defensivo fez o gol que só serviu para lhe dar animo e tentar o empate nos acréscimos a base da pressão, o São Paulo assegurou a vitória a agora vai enfrentar a Chapecoense na “terrível” Arena Condá, onde a equipe de Chapecó costuma se dar muito bem.

Leia mais


18 de outubro de 2014

Contestado por culpa da diretoria, Michel Bastos prova ter sido ótimo reforço



Não demorou muito para que os questionamentos sobre a contratação do jogador Michel Bastos surgissem nas redes sociais e internamente, segundo amigos, dentro do São Paulo. Contratado como craque, diferenciado e jogador para vestir a camisa de titular, segundo Ataíde Gil Guerreiro, Michel foi traído pela própria empolgação dos dirigentes. Todavia, mesmo com olhares tortos, Michel prova, hoje, ter sido ótimo reforço, mesmo longe, bem longe, do patamar ao qual foi colocado.

O polivalente jogador do São Paulo tem uma carreira relativamente estável e creio que seja muito difícil achar um time onde o jogador tenha ido mal. Podemos encontrar times onde a passagem de Michel não foi aquilo que se esperava, mesmo assim, a carreira de Michel tanto no Brasil quanto na Europa é boa. Entretanto, mesmo com essa carreira estável a passagem pela Seleção Brasileira em 2010, quando disputou a Copa do Mundo, a contração no peso em que foi dado pelo São Paulo não se justifica.

Michel marcou dois dos quatro gols que classificaram Tricolor na Copa Total Sul-Americana (Foto: UOL)
Michel Bastos está fazendo aquilo que dele esperávamos. Tem sido um jogador importante no grupo e vem aproveitando as chances dadas pelo técnico Muricy, contudo, está longe de ser titular. Michel Bastos seria, como é, um bom coadjuvante em qualquer time brasileiro. Sua versatilidade é rara, tão rara quanto seus potentes arremates de curta, média e longa distância.

Livrando-se do peso que em suas costas foi largado pela direção Tricolor, Michel vem agradando todos que fazem parte do São Paulo. Mesmo com 31 anos, o jogador está em excelente condição física, e pode torna-se mais importante ainda ao clube no decorrer da próxima temporada, onde deve ter a chance de substituir Kaká. Lógico, creio que a direção vai buscar no mercado alguém para ocupar a vaga que será deixada pelo meia, porém, caso essa busca torne-se mais complicada e exija tempo, o Tricolor já tem no grupo alguém capaz de jogar e fechar as linhas do tão famoso quarteto. Michel Bastos foi sim um ótimo reforço.

Leia mais


15 de outubro de 2014

Huachipato 2-3 São Paulo: Level up




"Foi muita superação, jogar 55 minutos com um a menos é difícil, ainda mais com o time deles envolvendo a gente. Depois nos defendemos, jogamos no contra-ataque. Eu digo que era como a última vida do videogame: se perder, acabou"

         Frase foi dita por Rogério Ceni, no primeiro jogo contra o Huachipato, em que o São Paulo acabou vencendo por 1-0. Hoje novamente foi um jogo duro, e em partes parecido com aquele jogo do Morumbi, Rogério, eu, você, todos sabemos que essa realmente é a ultima oportunidade dele já que segundo o próprio a aposentadoria no fim do ano é irrevogável, a direção e cabe ao nosso treinador repensar a sua abordagem a respeito do torneio e trata-lo como se fosse um campeonato paulista qualquer que atualmente não tem o charme de décadas atrás. Rogério merece esse titulo e jogadores como Kaká também, e é obrigação de um elenco de 10 milhões de reais chegar ao menos na final desse campeonato se levar em conta o fácil chaveamento em que está.

          Muricy, ao menos na escalação, parece ter esquecido o papo furado de que a sul-americana não vale nada e mandou força máxima, o Huachipato veio com uma formação mais ofensiva que era ate esperada pela necessidade da vitória e por jogar diante de sua torcida. Os chilenos ensaiaram uma forte pressão logo nos primeiros minutos e acabaram encontrando uma defesa tricolor totalmente desajustada e com a tradicional falha crônica nas bolas pelo alto, o São Paulo que abusava dos chutões foi colocando a bola no chão e começava a assustar o adversário, Pato fazia boas jogadas, Michel infernizava a defesa adversária e Ganso destilava o seu jogo tranquilamente, o gol tricolor não demorou pra sair... Pato chutou e o goleiro fez uma bela defesa, no rebote Michel Bastos mandou a bola pro fundo do gol e abriu o placar, o São Paulo tinha o controle do jogo mas o Huachipato ainda ameaçava a defesa tricolor e o castigo não demorou, em um jogada confusa na área a bola sobrou para o atacante adversário empatar o placar, o São Paulo não se intimidou com o gol adversário e ainda possuía as principais ações do jogo e foi em um lindo gol de Ganso que o São Paulo novamente ficou na frente do placar, Kardec Cruzou para a entrada da área e o maestro com um belo chute deslocou o goleiro adversário, 2-1. Atrás no placar o Huachipato tentou se atirar ao ataque, mas o São Paulo conseguiu neutralizar bem o adversário, mas ai entrou a figura do apitador que expulsou Denilson de forma bisonha, aliás com a expulsão do Denílson o juiz chega a "honrosa" marca de 4 jogadores são-paulinos expulsos em 4 jogos, mesmo jogando com 10 o São Paulo não tomou um sufoco tão grande e sobe gastar o tempo a espera do fim do primeiro tempo.

       Para o segundo tempo e com as escassas opções no banco, Muricy não mexeu na equipe com isso Ganso passou a atuar como um segundo volante, auxiliando Hudson na marcação, e também como um ala pela esquerda, o Huachipato com as alterações feitas no intervalo adotou uma formação ultra-ofensiva e deixou os espaços necessários para Ganso jogar tranquilamente quando tinha a bola no pé, o camisa 10 deixou Osvaldo e Principalmente Michel Bastos em condição de matar o jogo mas ambas foram desperdiçadas, o Huachipato tentava pressionar mas contava com a limitação dos seus jogadores de frente e também uma defesa do São Paulo mais bem postada, na melhor chance chilena o adversário explodiu o travessão de Rogério Ceni. O São Paulo sentiu o cansaço devido a sua maratona de jogos e aos poucos abdicava do ataque por não parecer ter mais pernas e folego para contragolpear o Huachipato, e só no fim do jogo a equipe chilena conseguiu vazar o São Paulo e empatou o jogo, o gol até animou a equipe chilena e Rogério fez boa defesa no lance seguinte, mas em um escanteio batido pelo Huachipato a bola sobrou para Michel Bastos que puxou o contra-ataque e lançou para Boschilia fazer um bonito gol, 3x2 e classificação do tricolor.

        Com o resultado a equipe do morumbi enfrentará Goias x Emelec em datas a serem marcadas pela Conmebol, além disso o tricolor agora volta o seu foco para o confronto diante do Bahia e que pode contar com as voltas de Kaká, Souza e quem sabe até Tolói.




Leia mais


São Paulo quer Muricy até 2017. Vale o desgaste?



Vou iniciar o texto com uma frase do próprio: "- Será que vale a pena toda essa loucura que faço pelo futebol?"

Muricy Ramalho tem seus pontos positivos e negativos. Tem o respeito de maior parte da torcida por ter nos tirado do rebaixamento ano passado, e esse ano, mantém o time no G4. Entre tropeços e acertos, tem sido o técnico mais estável dos últimos anos no São Paulo. Mas uma hora é preciso saber parar. E ele já está convencido disso. Assim como Rogério Ceni fará sua despedida do clube, Muricy Ramalho já teve indícios de que precisa pegar leve, com saúde não se brinca. 

Somos todos saudosistas e um pouco acomodados, isso é algo do ser humano. Todos nós metemos o pau nele quando não faz a substituição que julgamos ser a correta, mas quando dá certo, ficamos pianinhos. Quando ganhamos, é Muricy Trabalho.  Quando ele não estava conosco, pedíamos por ele. Muito difícil entender o raciocínio do torcedor, paixão é incontrolável e inexata. O que precisa ser discutido é essa acomodação com o seu nome por parte da Diretoria, sem se preocupar em olhar no mercado novos nomes que podem sim contribuir positivamente com o nosso time.

O momento crucial dele no clube foi na nossa recuperação - agora precisamos aprender a nos desapegar Muricy Ramalho - e não da sua cultura e filosofia de jogo
 Foto: UOL


Sou muito fã do trabalho dele. Não nego que fico (!!!!) da vida com algumas substituições que ele faz, mas ele tem sido o melhor pra nós desde o ano passado. Mas no meu ponto de vista, chegou a hora de encerrar esse ciclo. Por todo respeito e admiração que tenho a ele, admito que quando o corpo alerta, é preciso prestar atenção e nós, como torcedores, devemos respeitar essa decisão dele preferir cuidar de si ao invés de querer sustentar mais duas temporadas para agradar a alguns. E vale lembrar que a minha declaração é única e exclusivamente pelo seu momento de saúde "frágil", e não pelas consecutivas derrotas. Ao contrário da mídia e de alguns torcedores, não devemos analisar o trabalho de um técnico por uma série de 5 jogos ruins, 2 bons... é a postura do time com o trabalho dele que precisa ser analisada e isso, incontestavelmente, melhorou muito. Outros fatores não caminham na mesma linha, infelizmente, mas não são culpa dele (preparo físico dos jogadores, por exemplo).

Por mais duas temporadas?
Ele disse que se parar ou sair do futebol enlouquece, mas o cargo de técnico num time com o São Paulo requer alguns dons - que ele sempre teve -  mas que hoje percebo o quanto estão fazendo mal à ele. O que importa é que existirá um legado, uma filosofia cravada nos jogadores de luta, de persistência, de ir atrás e não esperar o jogo todo por uma só bola. Isso foi fundamental na sua passagem.

Tite?
 "- Não procuramos o Tite e nem vamos procurar. Não é o perfil que gostaria no São Paulo numa eventual saída do Muricy, queremos renovar com o Muricy e tenho certeza que no final do ano ele vai renovar conosco por mais duas temporadas. Se por acaso, lá na frente, o Muricy deixar de ser técnico do São Paulo, vou procurar um técnico novo, com novas ideias, uma pessoa jovem e diferente, foram do mundo futebolístico. Sempre são os mesmos que estão nos times"  - declarou Guerreiro, em entrevista ao canal Fox Sports."
Fonte: Lancenet

Acho que ao final do contrato dele (ou até antes) alguns nomes poderiam ser melhor analisados. Tenho os meus preferidos, como Cristóvão Borges, Marcelo Oliveira e Abel Braga (todos até então empregados, mas no mundo dinâmico do futebol, nunca se sabe!). Quais são os seus favoritos para assumir caso Muricy realmente se despeça do cargo? 

Leia mais


13 de outubro de 2014

Falsa "soberania" e comodidade: até quando, São Paulo?



A soberania mentirosa e a comodidade seguem firmes e fortes no São Paulo. A equipe continua irregular, com apenas três pontos de vantagem para o primeiro e o segundo fora do G4 e nosso vice-presidente de futebol, Ataíde Gil Guerreiro, vem dizer que “já estamos na Libertadores” e segue falando em título. Como isso ajuda?

Antes da partida contra o Grêmio, fiz uma projeção de ganhar cinco pontos em três jogos, dado o momento da equipe e os desfalques que viriam. Foram conquistados seis pontos, ou seja, acima dessa projeção. Ótimo! O problema é que essa minha projeção também contava, por exemplo, com vitória do Cruzeiro contra o Corinthians. É inegável que o São Paulo sai desses três jogos em uma situação melhor, mas não é o suficiente, por exemplo, para nos “garantir” na Libertadores-2015. Longe disso.

Ataíde Gil Guerreiro parece um homem sério, competente e até faz um bom trabalho, mas é desastroso dando entrevista
Imagem: Reprodução
Contra o Atlético/MG, a equipe foi toda remendada, é verdade. Mas parece que esquecemos o que adversário estava tão enfraquecido quanto nós. Os mineiros tinham 14 (!) baixas para o jogo de ontem. Estava ruim para todo mundo. E o jogo, no primeiro tempo, foi bom para o São Paulo, que esteve claramente melhor e desperdiçou boas oportunidades, principalmente com Osvaldo. Mas aí vem a parte da comodidade...

Muricy matou o time no segundo tempo com alterações desastrosas. A pior delas, quando Maicon pediu para sair e nosso comandante colocou Boschilia. O meio de campo foi destruído e nenhuma chance mais foi criada para o nosso lado, muito pelo contrário. O Atlético alugou o setor, colocou pressão e se aproveitou de uma falha coletiva bizarra do sistema defensivo para fazer o gol da vitória. E onde está a comodidade nisso? Na entrevista pós-jogo...

Sou muito fã do Muricy e reluto muito em criticá-lo, mas não podemos aceitar que ele cometa um erro absurdo desse e depois vá dizer que a culpa é (só) do calendário ou das convocações ou do desgaste. As desculpas parecem sempre estar prontas para (tentar) justificar um eventual fracasso. E aparentemente tem quem compre todo esse discurso.

Muricy está se esforçando, mas tem ano abaixo da média. O problema é que a culpa nunca é dele, comissão ou diretoria...
Imagem: Reprodução
Se for para “culpar” alguém nesse sentido, que tal, por exemplo, toda a comissão técnica e diretoria, que estão há tempos vendendo que temos um grande elenco e que nosso sistema defensivo é ótimo? Para piorar, o time que deverá ser mandado para o Chile, para enfrentar o Huachipato, é repleto de reservas. É se esforçar demais para jogar fora uma competição internacional cujo caminho do São Paulo até a final é muito, muito favorável. A desculpa da vez? Jogo sábado! Mas Ganso e Paulo Miranda não jogaram ontem e Kaká e Souza só estão passeando de avião, sendo que voltam entre terça e quarta-feira e não jogarão a Sul-Americana. Precisa mesmo sair poupando muita gente?

A questão é que o ano do São Paulo é muito ruim, com eliminações para Penapolense e Bragantino, e abrir mão de uma competição internacional (ou praticamente jogá-la ao acaso) é um desrespeito e um erro enorme, como eu já disse inúmeras vezes. Mas, para quem continua com uma “mentalidade soberana” mesmo com todo o passado recente, não podemos esperar muita coerência. Só lembrem-se: Aqui é São Paulo, “meu filho”! E os resultados ainda não condizem com isso. 

Leia mais


12 de outubro de 2014

Atlético-MG 1x0 São Paulo: O castigo vem a cavalo




Nação Tricolor:




     Para fechar essa sequencia mais complicada o São Paulo foi a Minas enfrentar o Atlético Mineiro, o time que contou com inúmeros desfalques tinha uma missão complicada que era tentar uma vitória contra um Atlético em ascensão ou até um empate que já estaria de bom tamanho. A rodada de sábado começou muito favorável para a equipe do Morumbi, com derrotas dos rivais que buscam a vaga na Libertadores vai terminar de forma frustrante pro São Paulo, frustrante porque o Cruzeiro perdeu e a equipe tinha a chance de se aproximar do líder novamente, agora a segunda colocação obtida no meio de semana dá lugar, mais uma vez, ao 3º lugar. De "positivo" a tabela, que agora tende a melhor e que se espera que o São Paulo não perca mais pontos para times inferiores.

     

     Muricy, no meu ponto de vista, errou na escalação inicial do São Paulo, mais uma vez apostou em um inoperante Osvaldo que consegue errar todas as jogadas que tenta, o mais correto seria dar uma chance ao jovem Boschilia que entrou bem na vitória do meio de semana. Osvaldo que esta longe de ser aquele jogador "arisco" do segundo semestre de 2012, acumula oportunidades de iniciar jogando que não fazem sentido, muitas vezes o São Paulo parece ate jogar com 10 tamanha é a ineficácia do atacante. Outra alternativa seria começar jogando com Auro na Lateral, com isso Hudson voltaria a sua posição de origem e Maicon ajudaria Michel Bastos na criação. O que  vimos no primeiro tempo foi um bom jogo, ainda que tecnicamente não tenha sido algo excepcional e com desfalques dos dois lados, Atlético x São Paulo faziam um bom duelo com o que tinham, o São Paulo poderia até ter terminado o primeiro tempo com a vitória, já que perdeu boas chances, o Atlético também aos poucos foi crescendo no jogo e também assustou Rogério Ceni mas o arqueiro tricolor lidou bem com a pressão.



     

     O São Paulo voltou pro segundo tempo com o mesmo time, e começou na mesma pegada do primeiro tempo, Alan Kardec por pouco não abriu o placar, assim como Michel Bastos que fez grande jogada e mandou na área para o zagueiro adversário quase marcar contra. O São Paulo teve apenas esse dois bons momentos no segundo tempo, pois o jogo tomou outro rumo. Primeiro com a saída de Maicon e com a infeliz ideia de Muricy de recuar Michel Bastos para fazer um segundo volante. Michel Bastos era o jogador mais lúcido do meio-campo paulista, Osvaldo errava tudo, Pato também teve uma tarde infeliz, e Kardec que não foi municiado acabou desperdiçando a única boa chance que teve. Boschilia acabou entrando em jogo nervoso e onde a equipe não estava bem, acabou contagiado pelo mau futebol da equipe no 2º tempo e pouco acrescentou, Muricy também errou ao tira Pato e manter Osvaldo, substituição totalmente incabível por mais que Pato também não estivesse bem na partida, Luis Fabiano entrou e também pouco acrescentou, Michel que era o dono do meio campo tricolor acabou totalmente perdido jogando como volante, a marcação não foi, não é, e nunca será o seu forte, eu não vejo nenhum sentido em coloca-lo para jogar naquela posição, o Atlético foi crescendo na Partida e não demorou muito para criar as melhores chances e encurralar o São Paulo. Com a perda do meio-campo o São Paulo não conseguia mais trocar passes, foi engulido pela marcação atleticana e naquela altura um empate cairia do céu, e o castigo não tardou. O Atlético fez uma boa jogada e a bola sobrou limpa para o Ótimo Luan abrir o placar. 1x0 e justiça no placar para um time lúcido no segundo tempo contra um que se perdeu nas mudanças do seu técnico. Para piorar a tarde, Muricy ainda lançou Ewandro aos 40 do segundo tempo, em uma substituição completamente ridicula e que serviu apenas para dar menos confiança a um jogador que não possui prestigio nenhum com o seu técnico. No final das contas um resultado normal, e que não afetou a classificação tanto assim, mas frustrante porque o São Paulo não saiu com um resultado positivo por consequência dos gols pateticamente perdidos e das escolhas bizarras. 

    Nessa nova passagem de Muricy pelo Morumbi é louvável admirar os seus méritos, mas é preciso também ressaltas os seus deméritos, para que o treinador possa melhorar. Não estou aqui tentando ensinar futebol para alguém com a rodagem e os títulos de Muricy mas é nítido que ele muitas vezes consegue complicar jogos quando se trata de substituições, primeiro porque demora a faze-las e segundo porque nem sempre toma a decisão mais simples. Hoje com a saída do Maicon, era dever do treinador fazer o básico e trazer Hudson para a sua posição e mandar o Auro pela direita, mas o treinador parece ter perdido a fé num jogador de 18 anos que ainda possui os seus defeitos, ainda que Auro não seja um bom marcador, não é morfando no banco que ele vai melhorar nesse quesito, precisa jogar, precisa treinar, precisa das instruções do seu treinador para melhorar, ao manter Hudson na lateral, Muricy não apenas impede o jovem jogador de ter sequencia mas também deixa Hudson em uma posição que não é a dele, hoje ele fez bons desarmes mas em vários momentos nota-se que ele não tem a noção de posicionamento para exercer aquela função, o que aconteceu com Hudson já aconteceu com Arouca e Jean e ambos foram queimados e culpados por quebrar um galho em uma função que não era a deles. Boschilia hoje entrou mal, mas pegou terra arrasada, ele não é um jogador de criação como Ganso, precisa de alguém que o auxilia-lo, alguém que permita que o seu jogo flua normalmente, ele sentiu falta de alguém que pudesse fazer isso hoje, o caso do Ewandro foi ainda pior... qual a real intenção de Muricy ao "Joga-lo para os leões" aos 40 do segundo tempo? E o pior é que o jovem atacante são-paulino sempre entra nessas ocasiões. Por fim espero que nosso treinador possa rever seus conceitos e melhor nesse quesito que sempre foi um "calcanhar de aquiles" na sua carreira.

Leia mais


11 de outubro de 2014

Remendado pelas pontas




Michel Bastos vai pro jogo. São Paulo conseguiu efeito suspensivo (Foto: saopaulofc.net)
O São Paulo não deve entrar muito diferente em termos táticos diante do Galo, domingo, no Independência. Mesmo com os inúmeros desfalques, Muricy adiantou que não deve mudar a forma do time jogar, que tende a ser próxima ao que ocorreu diante do Huachipato, na semana passada, no Morumbi. 

Na ocasião, sem Ganso e Kaká, Milton Cruz resolver apostar na velocidade pelas pontas, diferente do cadenciamento que ocorre com os titulares em campo. Quando falamos em quarteto, quadrado, pensamos logo que o São Paulo joga no tradicional 4-4-2, porém quem assiste atentamente ao jogos do time percebe que esse quarteto é apenas conceitual. O São Paulo joga desde 2012 no 4-2-3-1, variando apenas um pouco quando comandado por Paulo Autuori. Ganso ocupa a faixa central, Kardec cobre a direita, Kaká a esquerda e Pato fica como centroavante. Esse é o desenho do São Paulo titular.

São Paulo encara Galo com Hudson e Reinaldo nas laterais, além de Osvaldo e Michel Bastos no setor ofensivo
(Imagem: Sérgio Ricardo Jr - SPFC1935)
O que muda com Osvaldo e Michel Bastos? Muda, primeiro, a característica. Osvaldo e Michel são velocistas, apostam no drible e, no caso do camisa 7, também no chute de média distância. Kaká e Ganso centralizam muito, trocam de posição, assim como Kardec e Pato. Osvaldo e Michel não trocam tanto de posição no campo ofensivo, entretanto, em compensação, recompõem muito mais. Ou seja, com Michel e Osvaldo, poderemos ter um São Paulo mais compacto e veloz, mais forte defensivamente. Claro, também devemos ter um time mais previsível e menos qualificado em termos técnicos.

Remendado pelas pontas, o Tricolor precisa da vitória no domingo para manter a condição de vice-líder. Pensar no Cruzeiro é bobagem. Quando o fez, o São Paulo perdeu-se. Como penso e, ainda bem, também venho observando no discurso dos atletas, o São Paulo precisa focar nele mesmo e pontuar. Os desfalques, como venho dizendo, só aumentam. O elenco vem demonstrando força, algo que este colunista duvidada. Que bom estar errado. 

Hudson deve jogar na lateral-direita pela terceira partida seguida (Foto: saopaulofc.net)
Quando digo que o time está remendado pelas pontas, refiro-me, também, aos laterais. Hudson, volante, tem jogado improvisado na lateral e agradado Muricy, apesar de claramente desconfortável na função. Reinaldo, que vem sendo preterido, deve, enfim, jogar. Também por isso digo que talvez a mudança de jeito do time, ficando assim mais compacto e defensivo facilite as atuações dos novos laterais. Michel e Osvaldo vão dar bastante apoio aos reservas. 

O Atlético, para ser justo, também está desfalcado e precisando improvisar. Efeito do calendário brasileiro, defasado e desumano. O Campeonato Brasileiro agoniza perto de seu fim. Os clubes agonizam. A torcida, sedenta por bons jogos, finge ainda ter tesão em ver todos os jogos. É duro ver todos os jogos. A partida de quarta, no Morumbi, foi péssima tecnicamente. Somente os três pontos fizeram-me feliz. Muitos devem estar se perguntando onde está a organizadora da competição... faturando. Afinal, a China é logo ali. 

Leia mais


9 de outubro de 2014

O adeus está próximo...



Com defesas incríveis, aos 41 anos de idade, Rogério Ceni é e sempre será nosso M1TO! Todos tem goleiro, mas só nós temos o camisa 01.

Apesar de muitos desejarem sua aposentadoria, o Maior Goleiro do Mundo mostra que a idade ainda não o alcançou. É claro que existem algumas limitações, mas ele continua firme e forte debaixo da meta Tricolor.

 Não sendo saudosista, pois Ceni ainda não finalizou a carreira de arqueiro, mas ele fará muita falta. Com defesas sensacionais, imponência de capitão em campo, segurança para a nossa defesa e, de quebra, os incríveis gols que nos fazem vibrar até no replay.


Ver um gol do M1TO ao vivo é uma sensação única, que dificilmente algum torcedor de outro time terá para sentir. É algo de extrema emoção, indescritível. Só quem sentiu na pele pode ter certa noção de como é fora do normal.

Além de tudo, é um motivador nato. Seus discursos antes dos jogos, nas preleções, são de um líder, um capitão. É um profissional exemplar, que chega primeiro e vai embora por último. Aos jogadores novos, os da base, é um símbolo.

Ceni quebrou quase todos os recordes possíveis de um jogador de futebol. É ganancioso no bom sentido, no sentido de sempre almejar mais e seguir rumo à vitória. Quer colocar o São Paulo no seu lugar, no topo do Mundo.

O adeus está muito próximo, por isso, é uma honra ir nestes últimos jogos no Morumbi. É quase um apelo, na verdade. Cada partida agora chega a um nível “épico”, sem querer ser exagerado.

E uma coisa eu digo: não escrevi este texto demonstrando toda idolatria pelo M1TO, eu apenas descrevi fatos. Se eu fosse escrever minha opinião pessoal, eu poderia ficar aqui algumas boas horas lembrando de lances inesquecíveis, como: gol de falta no Paulistinha, centésimo gol, defesa de falta no Mundial...


Por: Victor Antonini
@VictorAntonini_


Leia mais


8 de outubro de 2014

Vermelho... a cor (apenas) da raça?



Raça 
(substantivo feminino) - Coragem, determinação, espírito de luta.

Muitos torcedores vão concordar comigo. O São Paulo foi intitulado como time da raça, mas o seu histórico confunde raça com "vontade desenfreada". Vamos ficar 2 jogos sem Michel Bastos (um jogo já foi cumprido), que num curto espaço de tempo já foi expulso DUAS vezes (o lateral chegou ao clube em agosto). Ficará fora no jogo contra o Atlético-MG, no próximo domingo, em Belo Horizonte, e contra o Bahia, dia 19, no Morumbi.

Luis Fabiano já levou 14 cartões vermelhos em suas duas passagens pelo clube (veja todos aqui). Jogando numa posição que teoricamente, não precisa impor tanto combate ou combates tão violentos que desencadeiem expulsões. Ou mãos na bola. Terão leitores que irão tratar algumas expulsões como injustas, mas mesmo "passando esse pano" pra ele, é um número MUITO alto. 

Álvaro Pereira também é um ótimo exemplo. Admiro DEMAIS a postura determinada dele em campo, de nunca tirar o corpo em nenhuma jogada. Mas essa postura precisa ser mais ponderada. Quando não o perdemos para os amistosos (tão desnecessários!!!) para jogar pelo Uruguai, ele está suspenso por cartões. Isso precisa ser revisto. 

Imagem tão corriqueira nos jogos do São Paulo....
Foto: ESPN
Aí você, provável rival que possa estar lendo essa coluna se pergunta: ué, mas você tá metendo o pau em jogadores que tomam cartões a torto e a direito, elogia a raça uruguaia e esquece do Lugano, que era um bruto em campo e entrava sem piedade nos rivais? Pois bem, vamos aos números. 

De 2003 a 2006, tempo que jogou pelo São Paulo, Lugano tomou apenas DOIS CARTÕES VERMELHOS. Em 3 ANOS. E ele sim tem uma posição no time que favorece essa exposição. É disso que estou falando. 

Não temos um time apenas de juvenis. Os mais jovens do elenco titular têm idades na faixa dos 25, 26 anos. Luis Fabiano tem 34 anos. Michel Bastos, 31. Álvaro Pereira, 28. Todos com experiência na Europa. Acho que seria bem mais proveitoso se esses pilares dessem o exemplo. Precisamos da raça de todos vocês. Mas principalmente da disciplina... não podemos ficar mais tantos jogos sem vocês. Que o vermelho possa voltar a ser apenas a cor da raça, e não a mais presente nos scouts do São Paulo.

Leia mais


6 de outubro de 2014

O remédio para a esquizofrenia se chama Kaká



Há praticamente dois meses e meio, escrevi, após derrota para a Chapecoense, no Morumbi, que esse time do São Paulo era esquizofrênico e, por isso, não brigaria pelo título brasileiro (clique aqui para ler). Hoje volto a usar esse termo, mas para falar do lado positivo dessa “doença”.

Quando perdeu para a Chape, o Tricolor vinha de uma vitória para lá de convincente contra o Bahia, após a Copa. Dessa vez, antes da partida contra o Grêmio, o São Paulo não vencia há quatro jogos no Campeonato Brasileiro, jogando muito mal em todos eles. Enquanto isso, o Grêmio estava invicto há nove jogos e não levava gol há oito. Como se não bastasse, ainda havia todos os desfalques que Milton Cruz tinha que lidar. Em outras palavras, existia um claro favorito, por todas as circunstâncias.

Kaká, como sempre, é o primeiro a ir abraçar o M1TO, que, aliás, é outra peça fundamental em 2014
Foto: Rubens Chiri/Site Oficial
E aí a esquizofrenia entrou em ação de novo. A equipe foi até Porto Alegre e fez um jogo excelente contra os gaúchos, jogando de igual para igual, criando chances, marcando adiantando e tendo mais consciência com a bola no pé. Todos esses, fatores que faltaram nos quatro últimos jogos do campeonato. E muito disso passa diretamente por Kaká.

Nosso camisa 8 tem papel fundamental em todos os aspectos ditos acima. Além disso, exerce uma liderança extra dentro de campo, ajudando a posicionar os demais jogadores, exercendo e orientando uma consciência tática fundamental. Quando o Kaká vai bem, o São Paulo também vai bem. E vice-versa.

Confesso que inicialmente tive dificuldade em creditar a ele a melhora do futebol do Alexandre (que ainda está longe do ideal), mas vendo o time do São Paulo como um todo eu consigo enxergar isso.

Kaká não foi bem na derrota contra o Fluminense. Consequentemente, o São Paulo também não funcionou
Foto: Marcos Ribolli
O mais importante é saber que o ex-jogador do Milan não está tendo um papel fundamental diretamente. Como assim? Não o vemos fazendo gols, dando assistências, sofrendo pênaltis ou coisas do gênero. Podemos encontrá-lo marcando demais, correndo o jogo inteiro, puxando contra-ataques, abrindo espaços com movimentação, vibrando muito e, quando preciso, cadenciando o jogo. Acho que é justo, sim, chama-lo de coadjuvante, mas certamente é o principal coadjuvante desse campeonato, pois é principalmente ele quem faz o terceiro colocado funcionar bem, mesmo que indiretamente. Um exemplo? Podem reparar como o futebol do Ganso, do Alexandre e do Kardec melhora quando temos o Kaká bem.

Lembram que falei do texto após o jogo contra a Chapecoense? Lá tinha outra coisa óbvia: foi dito que as vagas para a Libertadores seriam disputadas de maneira muito acirrada. E está acontecendo. Cada ponto a mais é uma enormidade e nos dois próximos jogos da competição nacional o principal coadjuvante estará ausente, passeando com a seleção da CBF. O time se encaixou de uma forma em que o ex-melhor do mundo precisa estar bem em campo para funcionar com qualidade. Agora, ele não estará presente. Ou o São Paulo encontra outro remédio, ou seja, uma nova maneira de jogar, mesmo que não seja tão funcional, mas que seja minimamente eficiente, ou essa esquizofrenia pode “matar o doente”, que significa ficar fora da principal competição continental em 2015. 

Leia mais


4 de outubro de 2014

Grêmio 0x1 São Paulo: Não ta morto quem peleia





Nação Tricolor:


Mais uma vez foi um jogo duro e emocionante até o fim, mas o São Paulo conseguiu repetir o resultado de terça feira e conquistou uma enorme vitória diante do Grêmio jogando nos domínios da equipe gaúcha. O Tricolor que estava em um inferno astral e vinha de uma sequencia extremamente ruim agora parece ter encontrado o caminho das vitórias novamente. É sempre bom lembrar que a equipe adversária vinha de uma sequencia extremamente positiva e o seu goleiro não era vazado em mais de 800 minutos, além disso o São Paulo sempre teve dificuldades em enfrentar essas equipes gaúchas, especialmente jogando fora de casa.

Milton Cruz, que ainda substitui Muricy, teve sérios problemas em montar a equipe para o jogo de hoje, vários foram os desfalques sejam por lesões, suspensões ou por convocação. Auro, Lucão, Antonio Carlos, Luis Fabiano, Denílson, Alvaro Pereira, desfalques importantes resultando na dor de cabeça do treinador interino para escalar os 11 iniciais. Milton optou pela entrada de Hudson, Maicon e Michel Bastos nas vagas de Auro, Denílson e Palito, Hudson acabou jogando mais uma vez improvisado em uma posição em que poucas vezes deve ter jogado durante a sua carreira.

Vimos um Grêmio tomando a iniciativa do jogo e marcando forte a saída de jogo do São Paulo, logo no inicio Paulo Miranda salvou uma bola em cima da linha, após uma forte blitz gremista e que começou em uma recuada errada de Hudson, mas aos poucos o São Paulo acabou equilibrando o jogo e também foi criando suas chances, Pato chutou para ótima defesa de Grohe, Kaká quase marcou um belo gol olímpico, o Grêmio também criou mais chances de vazar a meta são-paulina e dessa vez foi Edson Silva que salvou o tricolor quase em cima da linha. O Grêmio foi melhorando no decorrer do jogo e deu trabalho para a defesa do São Paulo, mas que não teve consequências piores graças a um inspirado Rogério Ceni. O Grêmio que possuia o controle da partida viu o panorama mudar, quando o São Paulo também passou a atacar mais e perder boas chances de abrir o placar. Um belo jogo na belíssima arena do grêmio e que acabou terminando em 0x0 na primeira etapa.

O Grêmio voltou para o segundo tempo com a sua habitual blitz, e bombardeava a área tricolor com vários cruzamentos, o São Paulo adotava um estilo mais cauteloso e jogava por uma bola, que veio acontecer após excelente jogada que começou com Kaká, e que contou com Maicon e Kardec, sendo este último derrubado na Área e o arbitro corretamente marcando o pênalti. Rogério bateu com a sua habitual categoria e deu fim ao tabu que o goleiro adversário ostentava. Com o prejuízo no placar a equipe gaucha veio para cima e o tricolor ainda adotava a postura mais defensiva, ao meu ver Milton demorou demais para colocar Osvaldo no jogo e em dado momento do jogo o São Paulo ficou muito recuado e sem opções para criar as suas jogadas, com Kaká evidentemente cansado e Ganso que pouco produzia, o São Paulo não conseguia aproveitar os espaços deixados pela equipe adversária e contou com uma boa jornada defensiva para segurar o ímpeto gremista. No fim, uma vitória justa de uma equipe que lutou muito para conquista-la e adotou uma postura até diferente dos últimos jogos. Vi um São Paulo lutador, guerreiro,  de certa maneira ainda contagiado pelo segundo tempo diante do Huachipato. A equipe fez a sua melhor apresentação desde o jogo contra o Cruzeiro, e os zagueiros superaram suas próprias limitações e foram bem defensivamente, não tiveram os habituais erros que estamos acostumados a ver e ganharam todas as bolas pelo alto, em especial Edson Silva, que é o melhor zagueiro do São Paulo no campeonato, o que diz muito sobre dessa posição que temos no nosso elenco.


O São Paulo recebe o Atlético-PR em casa e tem a obrigação de vencer a equipe paranaense que vive um péssimo momento, que se tenha em conta as ausências de Kaká e Souza que viajarão com a seleção, além de mais jogadores suspensos, mas creio que o São Paulo deve esse vitória em casa ao seu torcedor e mais do que isso precisa parar de perder pontos bobos contra adversários de qualidade duvidosa.

Leia mais


O elenco resiste?



Elenco corre na Barra Funda (foto: saopaulofc.net)
O São Paulo começa hoje, diante do Grêmio, uma longa série de testes de seu elenco. Sem Auro, Antonio Carlos, Rafael Toloi, Alvaro Pereira, Denílson, etc e sem o próprio treinador, o Tricolor está muito próximo de ver sua temporada, via Brasileirão, ir por água abaixo. O confronto direto contra o Grêmio pode render uma certa segurança no G4 em caso de vitória e um início de pesadelo em caso de derrota. No últimos anos, e incluo 2013, talvez um dos piores da história, o São Paulo nunca precisou tanto da força do seu elenco como nesse momento.

Dos reservas que devem ter chances, confio apenas em Hudson e Michel Bastos. O bom volante Hudson terá, agora, uma sequência grande de jogos pelo Tricolor. Primeiro, substitui Denílson, suspenso, depois deve ser ele a substituir o convocado Souza. O sistema defensivo do São Paulo terá Luis Ricardo, Paulo Miranda, Edson Silva e Reinaldo diante do Grêmio. Desses, apenas Paulo Miranda não esteve em vias de ser dispensado pelo clube nos últimos meses. Vejam bem, três dos quatro defensores do São Paulo no jogo mais importante da temporada estavam para ser dispensados do clube, e dificilmente estarão no Morumbi em 2015. É difícil ter alguma expectativa boa. 

As convocações de Souza e Kaká não poderiam vir em pior momento. Sinceramente, diferente de alguns torcedores, eu fico feliz em ver os jogadores realizarem sonhos, e vestir a camisa da Seleção Brasileira é um deles. Só que, ao mesmo tempo, não posso deixar de olhar a situação do clube que depende desses caras, e o São Paulo será bastante prejudicado pela ausência de ambos. 

Será preciso muita força para superar a turbulência que se aproxima, e o poder de superação demonstrado na última terça-feira, diante do Huachipato, quando Luis Fabiano deixou o time na mão e com menos um, deverá ser algo visto constantemente se os objetivos quiserem ser realmente conquistados É possível vencer mesmo com tantos desfalques, mas também é possível que isso não aconteça, aliás, é bem mais possível que não aconteça. O São Paulo será testado de todas as formas possíveis nos próximos jogos. O elenco resiste?

Leia mais


1 de outubro de 2014

Precisamos do Lugano mais do que você imagina



Um dos assuntos mais falados do dia foi o programa Bola da Vez com Diego Lugano exibido ontem, pela ESPN. Assisti com afinco e pensei em jogar pra você torcedor, algumas perguntas que passaram pela minha cabeça durante o programa. 

Não é mais novidade que temos uma identidade muito forte com os uruguaios. Por muitos jogadores que passaram e dos mais recentes, Lugano. Ele frisou isso inúmeras vezes durante o programa, citando sua passagem pelo Fenerbahce (onde teve uma despedida digna de rei do futebol), sua chegada ao PSG, suas duas Copas do Mundo como capitão da seleção celeste. É muito forte e claro pra mim que é um perfil de jogador que todos nós adoramos. Como ele mesmo disse, "felizmente ou infelizmente", entrava em campo com sangue nos olhos e disposto a tudo pela vitória. 

Raça ou loucura, gostamos disso. Temos em Alvaro um pouco do saudosismo Luganês, que nos cativou e nos ajudou na conquista do mundo em 2005. 

Imagem: ESPN
Porém, o ponto alto da entrevista foi o São Paulo. Deixou mais que claro que sua vinda ao São Paulo não foi por desacordo em valores de salário. Até ligou para o clube para que essa história fosse tirada a limpo e não destruísse seu legado conosco. Mas além de tudo, existe um ponto importante que eu precisava ouvir dele: ele quer se aposentar no São Paulo. Não quer nenhum clube do Uruguai para tal por ser um muito provável divisor de águas dentro do próprio país. Mas aqui, citou várias vezes, existe um respeito e uma identidade enormes, que não o permitiria voltar ao Brasil se não for por nós. 

Pensamento lógico; Lugano está com 33 anos. Ano que vem, não teremos mais Rogério Ceni nem Kaká (que mesmo que existam variáveis que possibilitem sua permanência, é bom não se iludir muito com isso). Perderemos numa tacada só, DOIS LÍDERES EM CAMPO. Muricy terá mais um ano a frente da equipe mas de fora do campo ninguém faz muito milagre (e observando os últimos dias, ele precisa tirar um pouco o pé da pressão). A chegada de um líder nato como foi com Kaká provou por A mais B que faz a diferença. Kaká não é explosivo, inconsequente e desequilibrado em campo. Lugano... bem, em 2005 era um pouco e isso nos deu o mundo. Mas o ponto que quero chegar é que precisaremos de um líder. Não teremos nenhum e Lugano como jogador, até por seu condicionamento físico e idade, não renderá mais o que nos conquistou em 2005, mas teremos um exemplo de liderança forte pra ser seguido. Seria tão má ideia do clube pensar na possibilidade de trazê-lo para se tornar uma referência em campo? Ajudará na zaga o quanto possível (já que disse que só aceitaria voltar com 1000% de condicionamento físico pelo RESPEITO que tem ao São Paulo) e será uma figura muito respeitada em campo. Auro, Boschillia e outros jogadores oriundos da base estão sendo testados e seria perfeita a combinação do veterano de um lado aliado a um grupo jovem para compor o nosso time. 

Por fim, disse que é preciso analisar o momento, do clube e do jogador, para que exista um consenso - mas uma coisa me conforta MUITO - ele só aceita voltar por nós. 

Você traria de volta?

Leia mais


São Paulo 1 x 0 Huachipato: No sufoco, na alma e na raça




Nação Tricolor:

     Foi difícil, foi sofrido, foi interminável, mas enfim o São Paulo se reencontrou com a vitória após 4 jogos. Com o resultado iremos ao Chile no dia 15 com um resultado que não era o esperado pela torcida, mas que diante das circunstancias do desenrolar do jogo, foi providencial. Agora voltaremos nossas atenções para o campeonato Brasileiro já que teremos um jogo duríssimo no sul e com time sofrendo com lesões e suspensões em um momento crucial. Mas vamos ao jogo.


     Com Muricy ainda se recuperando do seu problema de saúde coube a Milton Cruz mais uma vez comandar a equipe. E assim como o treinador faria, Milton optou por uma equipe "mista" em partes por culpa das lesões, e em parte para poupar jogadores com Ganso e Kaká. O São Paulo foi escalado com: Ceni; Auro, Paulo Miranda, Edson Silva e Pereira; Denílson, Souza, Michel Bastos; Osvaldo, Luis Fabiano e Pato. Não teria começado jogando assim, esse esquema com 3 ataques já foi provado que não é o ideal para o São Paulo iniciar os seus jogos, além disso Boschilia que na teoria era o único armador disponível, já que Ganso e Kaká foram poupados, nem no banco de reservas apareceu, eu não entendo o porque da jovem revelação são-paulina ser tão preterida em relação aos demais jogadores, mas isso é assunto para outro post. O São paulo acabou sofrendo em campo, o que a escalação já anunciava: A falta de criação. Vários foram os lançamentos longos e improdutivos além do exagerado numero de passes errados além da velha mania de recuar para Rogério Ceni, mania essa que quase nos custou um gol. Aos poucos Osvaldo foi acordando na partida e dos seus pés surgiram as melhores jogadas, mas mesmo assim a equipe não dava trabalho ao goleiro adversário, ainda no primeiro tempo aconteceu o lance que mudaria de vez a partida, Luis Fabiano acertou o adversário fora do lance com a bola e o juiz acabou o expulsando com o vermelho direto,  uma expulsão polêmica e que a priori eu achei que o arbitro havia acertado, mas ao rever o lance varias e varias vezes conclui o amarelo estava de bom tamanho e que a jogada não foi essa "agressão" que tanta gente falou. Irei abordar o tema, no fim do post.
       

    Apesar de jogar com 10, o tricolor poderia sair com a vitória já que jogava contra um adversário fraco, poderia sair com a vitória desde que cumprisse dois papeis básicos: Tivesse folego para puxar os contra-ataques e jogasse de forma segura na defesa. O primeiro papel foi cumprido com muita eficiência já que a equipe chilena se animou com seu jogador a mais e partiu pra cima o que acabou deixando espaços para o são paulo atacar. A equipe que jogou melhor no segundo tempo, acabou criando boas chances e foi premiado com um belo gol de Michel Bastos que chutou de fora de área, coisa praticamente rara no tricolor. Após cumprir com exito a missão do contra-ataque, faltava ao tricolor se desdobrar para que não permitisse uma reação do Huachipato, e a equipe até conseguiu cadenciar bem o jogo, apenas nos últimos finais quando o cansaço faltou mais alto é que a defesa deu os seus vacilos habituais, mas contávamos com um inspirado Rogério Ceni que garantiu o placar magro, mas precioso. Um vitória magra, mas como já falei anteriormente, providencial pelas circunstancias do jogo, e quem sabe da um animo a mais para o jogo de sábado contra o Grêmio.



     Sobre Luis Fabiano, ainda que a sua expulsão não tenha sido justa, é inaceitável o quanto ele se descontrola em campo, mais uma vez o camisa 9 deixou a equipe na mão, e confirmou a sua fama de jogador "inconfiável". Luis fabiano sempre foi um jogador nervoso, de pavio curto e muito maldoso em vários lances, a expulsão de ontem ele conseguiu pela fama que criou e que inúmeras vezes prejudicou a sua equipe. Ainda que tenha crédito de sobra por ser um dos maiores artilheiros da nossa história, é difícil de engolir mais uma expulsão e mais difícil ainda é tentar explicar os motivos que o levam a agir assim, Luis Fabiano é um jogador experiente, mas seus hábitos nunca mudaram, tanto os bons quanto os ruins, o Jogador que deu uma desnecessária declaração reclamando do banco de reservas, agora deverá permanecer mais tempo lá. Luis Fabiano, que se não fosse por seu comportamento lamentável, poderia ter tido uma carreira mais brilhante do que a que trilhou, não parece propenso a mudar de postura. E eu lamento, por ele, e pelo clube ainda mais. Se Alvaro Pereira e Michel Bastos merecem todas as criticas que sofreram pelas patéticas expulsões nos jogos anteriores que prejudicaram a equipe, Luis também merece. O Fato de ser um grande artilheiro não exclui o fato de ser problemático. Ainda que não acredite na sua redenção no que diz respeito ao seu comportamento, continuo torcendo para que ele mude.

Leia mais


Quer Ganhar Dinheiro Enquanto Assiste a Jogos do Tricolor Com Método Revolucionário e de Fácil Aprendizado?



Lucro de Até R$ 2.340,00 No Primeiro Mês, mais de 734 Alunos Estão Ganhando Dinheiro Com Futebol, Aplicando OS SEGREDOS Revelados Pelo Mestre em Trading Esportivo Juliano Fontes. Você Vai Ficar de Fora?

Com Lucro de Até R$ 2.340,00 No Primeiro Mês, mais de 734 Alunos Estão Ganhando Dinheiro Com Futebol, Aplicando OS SEGREDOS Revelados Pelo Mestre em Trading Esportivo Juliano Fontes. Você Vai Ficar de Fora?




Uma nova forma de GANHAR DINHEIRO vem chamando a atenção dos apaixonados por futebol. Você já ouviu falar em “Trading Esportivo”?

Pois bem, “O trading esportivo é uma maneira diferenciada de ganhar dinheiro, fazendo operações de compra e venda de resultados em jogo de futebol, como se fosse um mercado de ações, porém MUITO MAIS SIMPLES E FÁCIL DE APRENDER. Esse mercado é gigantesco no exterior e aqui no país do Futebol quase ninguém conhece ainda, o que gera uma excelente oportunidade para você sair na frente.”, afirma Juliano Fontes, investidor e professor de trading esportivo.

Profissional no ramo há 5 anos, Juliano tem como ritual ligar o computador, ler as notícias dos times, decidir em qual jogo vai trabalhar, fazer investimentos, ganhar dinheiro e depois tirar o dia para comemorar.


Juliano Fontes possui atualmente 734 alunos que fazem parte de seu centro de estudos na internet e que já começaram a ganhar dinheiro com futebol. Ele ensina torcedores a obterem renda extra em casa, assistindo a jogos de futebol de seus times favoritos ou qualquer outro jogo que queiram investir, sejam jogos nacionais ou internacionais.

Mais divertido e rentável, as operações de trading são feitas na maior bolsa esportiva do mundo, a Betfair. Qualquer pessoa pode começar nesse mercado e uma das grandes promessas do Juliano é que você pode iniciar com apenas R$ 300,00 e chegar a R$ 2.000,00 sem risco nenhum! Basta conhecer as casas certas de trading, acumular os bônus oferecidos e começar a fazer suas transações.

“Eu nunca imaginei que poderia ganhar Dinheiro com meus conhecimentos de futebol e logo no primeiro mês consegui ganhar R$ 2.100,00 com um método extremamente confiável e de fácil entendimento” (André Lemos, aluno).

"É claro que não existe mágica. Você precisa estudar, mas se você souber o jeito certo de fazer, a coisa fica simples e muito lucrativa, sendo exatamente isso que trato em meus cursos: macetes que aceleram o aprendizado e ganhos financeiros de meus alunos”, revela Juliano Fontes.

Como ele mesmo diz, "Incentivo as pessoas a trabalharem no que gostam e, com isso, evitar que passem pelas mesmas dificuldades que passei antes de alcançar meu sucesso financeiro. Como sei que começar sozinho não é fácil mesmo, resolvi criar uma turma online e ensinar tudo o que sei sobre o assunto, sem enrolação, e ajudar o máximo de pessoas a terem ótimos resultados, mesmo que estejam começando agora ou que nunca tenham ganhado dinheiro com futebol…”Juliano Fontes.

Para maiores informações, o interessado deve CLICAR AQUI e cadastrar seu email principal.


*Você acaba de ler um post patrocinado. 


Leia mais


Designed By Blogger Themes | Seo Blogger Templates